27 de janeiro de 2019

Uma carta para a "eu do futuro"

Voltando três anos depois para dar continuidade aos meus pensamentos de garota simples e sonhadora. Muito eu reclamava da minha situação aos dezesseis anos. Também, eu quem a diga, quanta coisa não mudou desde a última vez que escrevi nesse blog! Da periferia para os bairros nobres da sua cidade. Não, eu não me mudei, mas arranjei um bom emprego e entrei em uma ótima universidade bem no coração da minha cidade. A verdade é que eu passo bem mais tempo no centro do que de fato na comunidade. Obviamente que esse é apenas o primeiro passo, talvez não seja nem meio degrau, mas já é um começo. Você se imaginaria estudando onde hoje estuda? Lidando com as pessoas que hoje você lida? Acredito que não. Lembra daquele dia na feira do estudante? Lembra da sua mãe falando "olha filha, um dia você vai estudar aqui" e você dando risada, achando tudo aquilo muito além da sua realidade? Lembra ainda de você conseguir uma entrevista no mesmo instituto 2 meses depois e enfim entrar naquela faculdade 1 ano depois? Pois é, quantas realizações, quanta gratidão àquilo que você tem certeza que teve influência do divino, porque é incrível demais para ser uma simples coincidência.

Mas passadas as realizações desses três últimos anos, vamos à carta para a eu dos próximos seis anos.

Prezada eu do futuro, olá!
Nesse momento, em algum mês do ano de 2025, e se tudo deu certo, você deve ter se formado aos 21, fez alguma especialização e deve ter concluído - ou estar concluindo - o mestrado. Pergunta: a especialização foi na ECA - USP? O mestrado, no exterior? Algo como Northwestern ou NYU? Não querendo te pressionar muito. Como está sua vida profissional? Foi difícil se despedir da sua primeira empresa e encontrar atuação dentro da sua área? Você permanece nela? Durante a vida acadêmica, conseguiu passar por grandes veiculos de comunicação como CNN, Globo ou Band? Como está seu perfil de "exchanges" e projetos de pesquisa? CNH, já tirou? Planejando adquirir seu primeiro carro ou apartamento? Como vai a família e projetos familiares? Já pensou sobre casamento nesses últimos anos?
Indo um pouco além da vida financeira, profissional e académica, vamos falar da sua situação emocional e social. Encontrou o amor? Aquela alma gêmea que faz o coração bater mais forte e o sorriso doer as bochechas? Lembra do C? E quanto aos seus amigos? É aquela turma de friends bem unida e animada ou são aqueles poucos amigos, que mal se contam nos dedos, mas valem por cem? A amizade de três anos com a Lais se prolongou para mais seis anos ou você arranjou outras pessoas para compartilhar suas mágoas e realizações? Nada de filhos por enquanto, certo? O que você anda fazendo para tentar mudar sua realidade e a realidade de quem está ao seu redor? O que você fez até hoje pela sua comunidade e pelos mais necessitados? Projetos voluntários continuam na sua agenda? Sua postura frente às câmeras e a dicção são dignas de uma profissional como aquelas nas quais você se inspirava? Me conta ai como estão suas aspirações para 2026 e me faz um balanço daquilo que continua ou não sendo uma prioridade na sua vida.

Muito sucesso,
Eu do passado.

26 de novembro de 2016

Sou quem eu gostaria de ser?

Após levar muitos "não's" ao longo da minha vida, parei pra pensar sobre onde eu gostaria de estar 6 anos atrás. Eu tinha 10 anos, provavelmente no meu primeiro ano de blog, conhecendo as primeiras regras gramaticais e me apaixonando por um blogzinho que eu mesma criei e esperava hoje ter muito reconhecimento com ele, em seis anos eu deixei esse meu "cantinho do desabafo" pro lado e comecei a viver a vida real, a vida de uma pré-adolescente comum, os primeiros amores, as primeiras festas, e as primeiras grandes decisões. Como eu me imaginava com 16 anos? Não vou mentir, eu sonhava (e até hoje sonho) muito alto, imaginava estar dando início a uma carreira de sucesso, assim como grandes atrizes, modelos e cantoras que começaram a ganhar destaque em seus 15 á 16 anos para frente, mas com todos esses anos passados, a única coisa que realmente mudou, foi a minha percepção de sonho. Sonho não é aquilo que você quer ou queria ter/ser há muito tempo atrás, sonho é (ou pelo menos têm que ser) aquilo que você tem ânimo o suficiente para ir atrás, porque se você investe naquilo, é porque realmente o almeja, e aí você consegue realizá-lo.
É difícil dizer se a Patrícia de 6 anos atrás se orgulharia de se ver hoje morando na mesma casa, no mesmo bairro e arrisco dizer até com o mesmo corpo haha! Mas a vida prossegue, ela não para, e talvez o que eu desejava para mim anos atrás, não fosse o que eu realmente precisasse ou vice-versa.
Daqui mais 6 anos, com 22 anos, talvez esteja até escrevendo nesse mesmo blog que hoje não é mais tão atualizado quanto em 2011, ou quem sabe ele nem exista mais, nem mesmo meus sonhos atuais, as decepções vão mudar, os amigos, os amores, mas não podemos perder a essência, aquele fundinho de esperança e perseverança, que nos traz aqui, depois de anos sem dar as caras, de reescrever um simples pensamento que estava guardado naquela parte bem escondida do cérebro, que com os problemas e acontecimentos da vida, nos faz esquecer da existência e perder o foco, que nos lembra quem realmente somos, o que realmente amamos e quem definitivamente está conosco.
Afinal, estamos em constante mudança, nunca sabemos quem somos, a vida muda e nos molda conforme os dias passam, hoje posso não acreditar, amanhã posso realizar, a gente nunca sabe, a gente nunca espera, apenas acontece.


24 de janeiro de 2014

sorry

Gente desculpa ficar muito tempo sem postar,estou sem PC e fazer posts pelo celular é algo meio dificil rs,se quiserem me acompanhar estou toda ativa no instagram rs (PatriciaVilasB).
Beijos.